Image Memorial Laboratório e Imagem

Atendimento ao Cliente

(71) 4004-0107

Fique Atualizado

Gostaria de receber informações e novidades sobre o Image Memorial?

Autorizo o recebimento de informações via e-mail.

Não tenho interesse em receber informações via e-mail.





Masculino Feminino



Atenção: O nono digito (9) será adicionado automaticamente nos celulares de SP.


Enviando
Aguarde. Estamos redirecionando para a página de
Resultados de Exames.


Localize uma unidade





Sobre a DASA

Informações gerais sobre a DASA, maior empresa da América Latina e quarta maior do mundo.

Saiba mais

Sobre o Image Memorial

Informações gerais sobre o Image Memorial Medicina Diagnóstica.

Saiba mais

Sustentabilidade

O Image Memorial está comprometido a ser uma empresa ecologicamente correta, socialmente justa e economicamente viável

Saiba mais


Pílulas Para Dormir Podem Aumentar o Risco de Morte

Pílulas Para Dormir Podem Aumentar o Risco de Morte

 

A revista on-line BMJ Open, do British Medical Journal, publicou no dia 27 de fevereiro deste ano, uma pesquisa que constatou riscos de morte quatro vezes maiores para pessoas que fazem uso de pílulas para dormir. O estudo comparou cerca de 10.500 pacientes em uso desse medicamento com outras 23.600 pessoas que não o ingeriam. Apesar do resultado, o risco absoluto das pílulas continua considerado baixo. O trabalho, que durou dois anos e meio, acompanhou os indivíduos em uso de remédios para dormir, amplamente prescritos, incluindo benzodiazepínicos, não benzodiazepínicos, barbitúricos e sedativos.

Participaram do estudo os pesquisadores do Centro de Medicina Preventiva Jackson Hole, em Wyoming, e da clínica do sono Viterbi, na Califórnia. Apesar do número total de mortes no período ter sido considerado baixo, menor que mil, observou-se que um em cada 16 pacientes do grupo que fazia uso das pílulas morreu, enquanto no grupo de não usuários houve uma morte para cada 80 indivíduos.

Os dados revelaram que os pacientes que ingeriram entre 18 e 132 doses de pílulas ao ano mostraram-se 4,6 vezes mais propensos a morrer que o grupo-controle. Aqueles que fizeram uso de dose menor, 18 por ano, tiveram seu risco de morte aumentado em de 3,5 vezes.

As razões que levam ao aumento desse índice ainda não ficaram claras e serão necessárias novas pesquisas a respeito, mas o uso do medicamento em doses elevadas também foi associado a um risco 35% maior de casos de câncer.

Mesmo sem a identificação dos fatores que causam os problemas, os pesquisadores afirmaram que procuraram isolar qualquer alteração que pudesse influenciar no resultado, como problemas de saúde dos voluntários, e que divulgaram a pesquisa como sinal de alerta para os usuários.

 

Editora médica: Dra. Anna Gabriela Fuks (615039RJ)
Jornalista responsável: Roberto Maggessi (31.250 RJ)

 

Veja também:   

Compartilhe:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Indicar para um Amigo
  •  

    Indique para seu Amigo




















 
 
 
Image Memorial Laboratório e Imagem © 2017 Image Memorial Laboratório e Imagem. Todos os direitos reservados.